cabecalho apta130219

Silagem biológica como aproveitamento racional do pescado

Os resíduos obtidos no aproveitamento de produtos originados da pesca podem chegar a 70% do peso inicial desses produtos. Tais resíduos (fauna acompanhante de pesca marítima; espécies subutilizadas em piscicultura continental; cabeça, pele, espinhas e vísceras de peixes provenientes de indústrias de processamento) são considerados matéria-prima de baixa qualidade, que, na maioria dos casos, não é utilizada e se transforma em dejetos que causam prejuízos ecológicos, sanitários e econômicos. Quando utilizados adequadamente, os dejetos podem representar um importante incentivo econômico para as indústrias que os produzem.
A silagem, produto final de um processo de fermentação controlada, representa um componente alimentar de alto valor biológico, além de aproveitar resíduos do processamento do pescado e espécies subutilizadas, ter simples tecnologia de produção, ser microbiologicamente estável e de fácil armazenamento. A silagem pode ser incorporada à ração comercial, enriquecendo o valor nutricional de produtos destinados à alimentação de animais.
O artigo “Silagem Biológica de Pescado”, da pesquisadora Thaís Moron Machado (thaismoron@pesca.sp.gov.br), apresenta detalhes da técnica de produção e aproveitamento da silagem biológica. Pode ser encontrado no item “Textos Técnicos” do menu do site do Instituto de Pesca (www.pesca.sp.gov.br). O Instituto de Pesca (IP-APTA) é vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.
Centro de Comunicação do Instituto de Pesca
Antônio Carlos Simões
(13) 3261-5474 e (11) 3871-7530
Assessoria de Comunicação da APTA
José Venâncio de Resende
Maitê Laranjeira (estagiária)
(11) 5067-0424
Acompanhe a Secretaria de Agricultura:
www.agriculturasp.blogspot.com
www.twitter.com/agriculturasp
www.youtube.com.br

 

Pin It

Notícias por Ano