cabecalho apta130219

Secretaria de Agricultura firma parceria para transferir tecnologias do IAC a associados da Orplana

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e a Associação dos Plantadores de Cana-de-açúcar da Região Centro-Sul (Orplana) assinaram hoje, 27 de abril, um protocolo de intenções para promover a transferência de tecnologias desenvolvidas pelo Instituto Agronômico (IAC), voltadas para o desenvolvimento sustentável, aos produtores e fornecedores da entidade. O documento foi assinado pelo secretário Arnaldo Jardim e pelo presidente da Orplana, Eduardo Romão, durante a 23ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow). Na oportunidade, também foram apresentados os resultados de um ano do Programa + Cana, uma iniciativa do Programa Cana IAC, em parceria com a Cooperativa Agroindustrial (Coplana) e a Associação dos Fornecedores de Guariba (Socicana).
O secretário Arnaldo Jardim comemorou a parceria. “Estou convicto de que este ato faz parte de um momento revolucionário, fundamental para a produtividade agrícola. A transferência de tecnologia é fundamental para incentivar a adoção de novas variedades e criar novas oportunidades de negócios”, explicou.
Jardim também falou sobre a linha do Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista – Banco do Agronegócio Familiar (Feap/Banagro) para financiamento de viveiros e o lançamento do Boletim Recomendações Gerais para a Conservação do Solo na Cultura de Cana-de-açúcar, pelo Instituto Agronômico, em abril de 2016.
“A Orplana tem desenvolvido 19 projetos estratégicos e este de transferência de tecnologia está com força total para resgatar a produção da cana-de-açúcar e levar tecnologia ao produtor rural. A transferência é fundamental para aproximar os produtores da pesquisa. O IAC é o berço da tecnologia paulista e brasileira para o setor”, afirmou Celso Albano Carvalho, gestor executivo da Orplana.
Resultados do + Cana
Durante o evento, o diretor da Socicana/Coplana de Guariba, José Guilherme Nogueira, apresentou os resultados do programa + Cana, direcionado ao treinamento de produtores para uso do Sistema de Mudas Pré-Brotadas (MPB), desenvolvido pelo Instituto Agronômico.
De acordo com Nogueira, neste primeiro ano de projeto, a taxa de multiplicação do MPB foi de 1:70, o que significa que 100 metros de mudas originam sete mil metros multiplicados a partir do MPB e os custos de produção foram reduzidos em 30%. “Os custos operacionais de produção das mudas de MPB foi de R$ 0,25, valor inferior aos praticados pelas empresas que têm comercializado as mudas. Com o projeto, os produtores estão retomando a produção de mudas, o que é muito importante”, afirmou.
Os sete produtores participantes do programa + Cana têm a oportunidade de produzir sua própria MPB de cana-de-açúcar e levá-la ao campo. O empenho dos usuários, somado à dedicação dos pesquisadores e técnicos, tem resultado na superação das expectativas ao longo da execução do projeto piloto, previsto para ser concluído em outubro de 2016.
"Com o projeto, resgatamos a verdadeira função do canavicultor, de produzir cana-de-açúcar. Nos últimos anos, os produtores foram se distanciando de algumas etapas do processo de produção", afirmou Marcos Guimarães de Andrade Landell, pesquisador e líder do Programa Cana IAC.
Sistema MPB
O Sistema de Mudas Pré-Brotadas (MPB) de cana é uma tecnologia de multiplicação rápida que contribui para a produção de mudas e traz grande salto na qualidade fitossanitária, vigor e uniformidade de plantio.
Outro grande benefício está na redução da quantidade de mudas que vai a campo. Para o plantio de um hectare de cana, o consumo de mudas cai de 18 a 20 toneladas, no plantio convencional, para duas toneladas no MPB. “Esse valor significa que 18 toneladas que seriam enterradas como mudas vão para a indústria produzir etanol e açúcar, gerando ganhos”, explicou Xavier. Além da economia, os produtores, a partir da utilização das MPBs e seus desdobramentos, podem alcançar ganhos de produtividade de até 30%, em relação ao sistema de manejo tradicional.
O canavicultor, Oscarino Martins da Silva Neto, de Quirinópolis, Goiás, fez o primeiro plantio de MPB em sua propriedade há três meses e já vê resultados positivos. “Implantei o MPB em uma área de 22 hectares. Apesar do pouco tempo, já percebemos resultados positivos no perfilhamento da cana”, contou o produtor que é também presidente da associação de fornecedores de cana de Quirinópolis.
A tecnologia desenvolvida pelo IAC é direcionada a aumentar a eficiência e os ganhos econômicos na implantação de viveiros, replantio de áreas comerciais e, possivelmente, renovação e expansão de áreas de cana-de-açúcar. “Trata-se de um novo conceito de multiplicação da cana, reduzindo volume e levando para o campo efetivamente uma planta”, esclareceu Xavier.
O MPB está sendo adotado em várias regiões brasileiras. “Pela simplicidade do método e suas variações, o MPB já está em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Paraíba e todo o Estado de São Paulo, e em curto e médio prazo, muitos produtores de outros Estados deverão adotar o método, tornando-o, portanto, uma tendência”, concluiu o pesquisador do IAC.
Por Fernanda Domiciano
Mais informações
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
(11) 5067-0069

Pin It

Notícias por Ano