cabecalho apta130219

SECRETARIA CERTIFICA 2ª GRANJA COM O SELO SUÍNO PAULISTA

Garantia de qualidade do produto e aumento de renda para o produtor. Este é o resultado da certificação de produtos com o Selo de Qualidade Produto de São Paulo. Que o diga o criador Carlos Alberto Cunha, proprietário da Suinocultura Campo Alegre, granja que, a partir da próxima quinta-feira (22/03) será a segunda a estampar em seus produtos o selo Suíno Paulista. Situada no município de Brotas, a Suinocultura Campo Alegre é, hoje, um modelo de gestão. Durante o ano de 2006 a granja alcançou um plantel de 1.800 matrizes, com a venda de 37.000 cabeças para abate e 2.000 para reprodução. Com 120 funcionários, a Campo Alegre é a única no Estado de São Paulo com produção de fêmeas para outros criadores. Possui fábrica de ração própria, com produção anual de aproximadamente 12 mil toneladas e conta ainda com cinco biodigestores que geram todo o biofertilizante utilizado nos 550 mil pés de laranja existentes na propriedade. Na atividade desde 1985, Carlos Alberto acredita que com a obtenção do selo e a agregação de valor à carne produzida na Granja, será possível ampliar ainda mais as vendas e com isso a geração de empregos. “Com a certificação alcançaremos também as grandes redes varejistas que hoje têm como exigência a total rastreabilidade do produto”, afirma. Para o secretário João Sampaio, o desafio para a abertura dos mercados interno e externo começa exatamente na área de concentração do Selo de Qualidade Produto de São Paulo: o processo produtivo. “Normatizar a produção desde o início é fundamental. Se o objetivo é um produto final com excelência e qualidade é necessário que todas as etapas do processo caminhem intergradas. Os produtores devem buscar modelos de gestão modernos e aproveitar sempre os nichos para produtos de qualidade superior e diferenciada” explica o Secretário, que irá acompanhar a certificação da Granja, no próximo dia 22 . Sobre o Selo Suíno Paulista O selo Produto de São Paulo foi criado em 1999 pelo Governo do Estado de São Paulo, como parte do Sistema de Certificação de Qualidade de Produtos do Agronegócio Paulista. Por meio do programa são criadas normas específicas para a garantia de qualidade de cada produto. No caso do Selo Suíno Paulista, criado em 2004, a normatização do processo produtivo resultou de um trabalho em parceria de técnicos da Secretaria, membros da Câmara Setorial da Carne Suína e da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS). As normas estabeleceram regras no pré-abate, da criação ao frigorífico. Os principais tópicos exigidos são: identificação do padrão genético da linhagem produzida, com peso, idade e manejo compatível com a nutrição utilizada e serviço de registro genealógico emitido pela Associação Brasileira de Criadores de Suínos. Também terão que ser feitas análise biológica semestral da qualidade da água destinada ao consumo dos suínos, notas de compras de rações, proibição do uso de aves e ou seus resíduos na alimentação dos suínos, proibição de substâncias naturais ou artificiais com anabolizantes. As regras do selo também estabelecem o peso mínimo ao nascimento de 1,4 kg, um peso médio no abate de 85 a 120 kg, com idade variando de 147 dias a 181 dias. Dentro das propriedades recomenda-se distância mínima de 3 km de outra propriedade, vestiário com banheiros e chuveiro, além de roupas para visitação tanto para empregados da granja como visitantes. O Suíno Paulista foi terceiro selo de qualidade lançado pela Secretaria. O primeiro foi o do café torrado e moído em 2002, seguido do carvão vegetal em 2003. Em 2004, foram criados o do Suíno Paulista e o do Algodão Premium e, no ano passado o da Cachaça Paulista e da Cachaça Paulista Envelhecida. Serviço: Certificação da Granja Campo Alegre com o Selo de Qualidade “Suíno Paulista” Data: 22 de março de 2007, às 11 horas Local: Fazenda Santo Ignácio de Loyola Endereço: Rodovia SP 225, Km 110,5 – Brotas/SP
Pin It

Notícias por Ano