Apta

Preços agropecuários encerram mês de setembro em alta

O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR) encerrou o mês de setembro em alta de 2,45%, puxado principalmente pelo grupo de produtos de origem animal, que teve forte valorização de 7,48%, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA) , da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Os produtos que registraram as maiores altas foram: banana nanica (40,22%), carne de frango (20,87%), carne suína (10,34%), soja (8,47%), milho (6,85%), laranja para indústria (6,34%) e amendoim (6,25%). Seguem com alta, mas em menor escala: carne bovina (4,38%), leite C (4,00%), leite B (2,82%), trigo (1,43%), algodão (0,88%), laranja para mesa (0,53%) e cana-de-açúcar (0,25%).
A alta nas cotações da banana no período é decorrente do inverno rigoroso e seco que prejudicou o desenvolvimento da fruta. No mês de setembro, os preços das carnes de frango e suína continuaram em alta, seguindo o forte ritmo do mês anterior. Essas altas decorrem da demanda aquecida pelo mercado e da menor oferta dos produtos, em parte, devido às baixas cotações verificadas nos meses de abril a julho/13, que desestimulou a reposição dos animais pelos produtores, esclarece o levantamento produzido pelos pesquisadores do IEA, Danton Leonel de Camargo Bini e José Alberto Angelo.
Na soja, com uma menor estimativa de produção nos Estados Unidos e estoque baixo, e exportações crescentes, principalmente para a China, favoreceram a alta do produto no mercado internacional neste mês, recuperando a queda do preço no mês anterior.
Os produtos que apresentaram quedas mais expressivas de preços neste mês foram: batata (27,58%), tomate de mesa (26,39%) e feijão (17,88%). Com menores variações aparecem arroz (5,22%), café (4,50%) e os ovos (2,11%).
A queda dos preços da batata é decorrente da boa oferta do produto, com a produção normalizada depois da quebra verificada no período de maio a julho, devido a problemas climáticos. O mesmo ocorre para o tomate de mesa, principalmente por conta da grande quantidade ofertada pela região de Campinas, que nesta época do ano é a maior região produtora do Estado de São Paulo, levando a queda de seus preços.  No caso do feijão, o recuo das cotações acontece com a colheita da safra de inverno.
Acumulado nos últimos 12 meses
No acumulado dos últimos 12 meses (setembro/12 a setembro/13), o IqPR registrou variação negativa de 0,51%. Apresentaram aumentos em patamares mais elevados que a inflação acumulada, medida pelo IPCA-IBGE (6,09%, agosto/13): banana nanica (70,85%), trigo (43,87%), laranja para mesa (40,01%), algodão (29,24%), ovos (24,28%), leite B (24,19%), carne suína (20,47%), carne de frango (18,34%), leite C (17,90%) e carne bovina (8,71%). Em menor expressão variou também positivamente a batata (4,36%), o arroz (3,10%) e a laranja para indústria (0,05%). As maiores reduções de preços ocorreram com os seguintes produtos: tomate para mesa (77,25%), café (29,40%), milho (25,17%), feijão (21,34%), soja (19,01%), amendoim (16,53%) e cana-de-açúcar (8,60%).
Leia o artigo na íntegra e confira as tabelas em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=12749
Texto: Nara Guimarães
Assessora de Imprensa - IEA
(11) 5067-0498

Pin It

Notícias por Ano