cabecalho apta130219

Pesquisador do IEA apresenta estudo em simpósio na Bahia que mostra dianteira de cultivares IAC de amendoim

O pesquisador José Roberto Vicente, do Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA), vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento, participa no período de 1º a 4 de setembro, em Porto Seguro (BA), do “XLI Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional (SBPO)”, promovido pela Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional (SOBRAPO). Vicente vai apresentar no dia 2 de setembro, durante sessão técnica denominada análise envoltória de dados (DEA), o trabalho “Impactos da pesquisa agropecuária sobre a produtividade total de fatores: avaliação de cultivares de amendoim utilizando DEA e índices de Malmquist”.
A pesquisa operacional tem o papel de fazer a ligação entre a ciência básica e as mais variadas aplicações, diz Annibal Parracho Sant´Ana, presidente da SOBRAPO. “Aproveitar essa ligação direta pode construir o atalho que o Brasil precisa encontrar para que a distância que nos afasta da vanguarda tecnológica não se amplie mais quando os países avançados, seguindo os Estados Unidos, intensifiquem o seu investimento em ciência.”
Para Sant´Ana, este ano o simpósio terá mais conferencistas estrangeiros, mais trabalhos submetidos e maior profundidade nas avaliações de trabalho. Especialistas de universidades estrangeiras, federais, estaduais e particulares; de instituições públicas de pesquisa; e de empresas vão discutir os mais diversos temas durante os quatro dias de simpósio.
O pesquisador José Roberto Vicente, do IEA, vai mostrar estudo que mensura os impactos de três diferentes cultivares de amendoim IAC sobre a produtividade total de fatores dessa lavoura no Estado de São Paulo. “Os resultados mostraram que a produtividade total de fatores em lavouras de amendoim que utilizaram os cultivares IAC cresceu entre 32% e 80%, no período de 1999 a 2008.”
Neste período, o índice de produtividade total de fatores do cultivar de amendoim IAC Runner 886 cresceu 77,9%; o do cultivar IAC Caiapó aumentou 44,7% e o do cultivar IAC Tatu-ST, 32%. “Os outros cultivares utilizados em São Paulo sofreram queda de produtividade total de fatores da ordem de 40% no período estudado.”
Segundo Vicente, esses resultados estiveram fortemente associados ao progresso tecnológico (mudança técnica) ocorrido no período. “No caso dos cultivares do IAC, os resultados demonstraram que os investimentos realizados nas pesquisas de melhoramento genético propiciaram substanciais ganhos nos índices de produtividade total de fatores, viabilizando a modernização e os ganhos de competitividade que essa lavoura vem experimentando no Estado de São Paulo.”
São amplas as possibilidades que se abrem na área de gestão estratégica dos institutos de pesquisa, com o uso desse instrumental, diz Vicente: “os pesquisadores envolvidos nas atividades de melhoramento genético poderão comparar a evolução da produtividade dos diferentes cultivares e priorizar a manutenção e aperfeiçoamento das características presentes nos que se revelaram mais produtivos, durante as pesquisas para obtenção dos novos cultivares. Os dirigentes dessas instituições poderão comparar a evolução da produtividade total de fatores dos investimentos realizados em diferentes produtos ou linhas de pesquisa, utilizando essas informações para subsidiar a alocação mais eficiente de recursos”.
Projeto FAPESP
O estudo a ser apresentado no simpósio da SOBRAPO é o terceiro trabalho gerado pelo projeto “Impactos dos investimentos públicos em pesquisa e tendências tecnológicas para cadeias de produção: o caso do amendoim no Estado de São Paulo”, desenvolvido por pesquisadores do IEA e do Instituto Agronômico (IAC-APTA) com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). 
Os outros dois trabalhos são: “Tendências tecnológicas: uma análise diagnóstica da cadeia de produção do amendoim no estado de São Paulo” (dos pesquisadores Renata Martins e José Roberto Vicente), publicado nos anais do Seminário Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica” (Buenos Aires, 2007); e “Avaliação de impactos econômicos da pesquisa pública paulista: o caso dos cultivares de amendoim” (de José Roberto Vicente e Renata Martins), apresentado no 47º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural (SOBER).
Segundo o levantamento realizado em junho pelo IEA e a CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral), a produção paulista de amendoim foi de 223,5 mil toneladas na última safra (águas e seca). O Estado responde por 80% da produção brasileira e por 100% das exportações desse grão, segundo a pesquisadora Renata Martins.
Assessoria de Comunicação da APTA
José Venâncio de Resende
(11) 5067-0424
Acompanhe a Secretaria de Agricultura pelo Twitter

 

Pin It

Notícias por Ano