cabecalho apta130219

Pesquisador do IAC palestra sobre cultivares de amendoim e diversidade de ambientes

Cultivares de amendoim e a diversidade de ambientes entre as regiões produtoras do Estado de São Paulo serão tema da palestra que o pesquisador do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Ignácio José de Godoy, irá proferir no XII Encontro sobre a Cultura do Amendoim, neste dia 13 de agosto, às 15h, em Jaboticabal, no campus da UNESP. Godoy irá falar sobre o perfil agronômico das cultivares IAC e o seu desempenho em função de fatores como clima, solo, pragas e doenças e sua inserção nas áreas de cana. O evento, coordenado pela UNESP e com a colaboração do IAC e da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), termina no dia 14 de agosto. A programação pode ser vista no site http://www.funep.org.br/mostrar_evento.php?idevento=478.

De acordo com o pesquisador, responsável pelo programa de melhoramento genético de amendoim do IAC, as características de solo, assim como as médias de temperatura e de volume de chuvas, variam de uma região para outra. Esse conjunto de fatores pode interferir na produtividade agrícola e na qualidade dos produtos.

Algumas cultivares do Instituto Agronômico, como a OL3, OL4 e IAC 886, são recomendadas para ambientes específicos, caracterizados por regiões mais favorecidas em clima e solo e onde há propriedades com alta tecnologia e rígido controle de pragas e doenças. Por outro lado, as cultivares IAC 503 e IAC 505 têm bom desempenho em diversos ambientes, inclusive nos menos favoráveis.

No Estado de São Paulo, onde há cerca de 100 mil hectares de amendoim, a produtividade média é de 3.600 quilos, por hectare. Entretanto, o potencial das cultivares ultrapassa os 6.000 Kg/ha. “Para assegurar uma média de produtividade em alto nível, compatível com o atual estado tecnológico da cultura, é importante que o setor disponha de uma gama de opções varietais”, afirma o pesquisador.

Outros fatores determinantes da adaptabilidade dos cultivares, segundo Godoy, são as pragas e doenças. “No caso de doenças, há cultivares IAC com moderada resistência”, diz o pesquisador. Com as pragas é feito controle químico. A duração do ciclo da cultura do amendoim é outra característica relevante que influencia a escolha da cultivar, quando o cultivo do grão se dá em áreas de rotação de cana-de-açúcar. Algumas cultivares IAC têm ciclo de 125 a 130 dias, que viabiliza a rotação.

A diversidade varietal é fruto da ciência agronômica. Daí a importância da continuidade das pesquisas com melhoramento genético, como as mantidas pelo Instituto Agronômico que, na última década, registrou dez novas cultivares de amendoim para cultivo comercial. Em 2003, o IAC iniciou uma parceria com empresas da cadeia de produção de amendoim e dinamizou as atividades.

Atualmente, 70% das 27 variedades de amendoim registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) são do IAC. O Instituto é também o responsável pela difusão de sementes da classe “genética” aos produtores.

 

SERVIÇO

XII Encontro sobre a Cultura do Amendoim

Data: 13 a 14/08/2015

Local: Centro de Convenções da Unesp/FCAV

Informações: 16-32091300

Vagas: 152

Carga horária: 12 horas

 

Texto: Carla Gomes (MTb 28156) – Assessora de Imprensa – IAC

Pin It

Notícias por Ano