cabecalho apta130219

IZ treina produtores de cordeiros para agregar valor a carne e melhorar a produção

O “VII Curso Teórico-prático sobre Carcaça de Ovinos, Cortes e Produtos Processados” realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Zootecnia (IZ-APTA), transferiu novas tecnologias para mais de 30 participantes, entre produtores, técnicos e estudantes da área. A prática do evento também ensinou a preparação dos produtos processados de carne de ovinos.

Segundo os coordenadores do evento e pesquisadores do IZ, Ricardo Lopes Dias da Costa e Fábio Prudêncio de Campos, o curso teve o objetivo incentivar a produção ovina, apresentar novas alternativas aos produtores com tecnologias desenvolvidas no IZ e orientar como agregar valor à produção com os derivados processados artesanalmente. “Os participantes puderam aprender como melhorar a qualidade de carcaça com técnicas apropriadas para terminação e abate dos animais”, destaca Costa.

Na palestra sobre “Seleção em um rebanho ovino – Devo fazer ou será só mais trabalho?”, a médica veterinária e pós-doutoranda na Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF), Caroline Marçal Gomes David, abordou duas áreas distintas, mas interligadas – a nutricional e a sanitária –, que merecem muita atenção do produtor e de seus técnicos.

Caroline explica que a ovinocultura necessita intensificar a produção para ser efetivada no mercado consumidor. O melhoramento genético, juntamente com outras tecnologias de produção, é muito importante a ser considerado no desenvolvimento da atividade. “A identificação e seleção dos animais com potencial genético é o primeiro passo do produtor que busca por maior produtividade do rebanho com menores custos de produção”, afirma.

A alimentação e a sanidade dos animais, segundo Caroline, são consideradas de alto custo durante a produção. “No entanto, dentro de um rebanho é possível encontrar animais produtivos – com maior produção de carne e leite –, consumindo menor quantidade de alimentos e, também, animais que sejam resistentes a doenças, principalmente verminoses, diminuindo os custos com vermífugos”, explica.

“Cordeiro Paulista – Sistemas de Produção e Campeonato” foi o enfoque do zootecnista Hélio de Almeida Ricardo, diretor técnico da Aspaco – Associação Paulista de Criadores de Ovinos. Atualmente, segundo o IBGE, o rebanho no estado de São Paulo alcança 377 mil cabeças, sete estabelecimentos frigoríficos habilitados no SISP e 14 entrepostos habilitados para produção de cortes.

Hélio de Almeida Ricardo apontou os aspectos positivos e limitantes do sistema de produção em São Paulo que possui cadeia produtiva melhor organizada, sendo o estado com maior centro consumidor. Porém, 77% das propriedades rurais do Estado possuem menos de 50 hectares de área, alto valor da terra para a atividade e baixa qualidade de mão de obra, além da concorrência com outras culturas, maior custo de produção e o fato de a ovinocultura não ser vista como uma atividade comercial.

Para o palestrante, o melhor caminho para equalizar os fatores limitantes e fortalecer os aspectos positivos da produção de cordeiro está em o produtor se tecnificar e se tornar eficiente. “O Sistema Cordeiro Paulista reúne as características que favorecem isso”, enfatiza.

O zootecnista apresentou como é estabelecido o sistema de produção do cordeiro paulista. Um sistema que reúne características adaptadas às condições de São Paulo, utilização de raças especializadas para produção e cruzamentos, cocho privativo terminação em confinamento e abate de animais com definição de leite, peso de carcaça quente entre 13 a 20 kg, conformação da carcaça e camada de gordura de acima de dois milímetros. “Carne de animal jovem e a terminação em confinamento, fora do pasto, evita verminoses e melhora o acompanhamento da alimentação do cordeiro”, detalha.

Prudêncio ainda enfatiza que para o produtor obter um rebanho de qualidade é necessária muita atenção no cuidado alimentar e sanitário das ovelhas gestantes, desde o processo da concepção até a parição, “para obter cordeiros mais resistentes, respondendo ao potencial genético dos pais”.

O pesquisador Ricardo destacou que a eficiência dos reprodutores é extremamente relevante para excelência na produção do rebanho. “O fator verminose também deve ser observado para diminuir o número de animais sensíveis aos parasitas e manter um rebanho resistente com melhor custo benefício”, destaca.

Os produtores ainda foram orientados a ser mais atuantes nas reuniões da Câmara Setorial de Ovinos para apresentarem sugestões e poderem unir mais o grupo de criadores, alavancando esse nicho de mercado que aponta alta demanda pelo produto, principalmente, nos restaurantes gourmets da região Sudeste do Brasil.

O curso buscou instruir o produtor no aproveitamento da carcaça de cordeiros e na agregação de valor do produto processado, com as boas práticas na fabricação de embutidos e defumados.

Na parte prática, orientados pelo engenheiro de alimentos, Marcos Bisinella, os produtores participaram da demonstração de cortes comerciais, realizados na região Sudeste do Brasil, com aula prática em carcaças e demonstração da fabricação dos defumados e preparação dos produtos artesanais como salame, hambúrguer, linguiça e kafta.

O produtor e proprietário da Cabanha Tondela, Jesus Arriel Gomes Jr., do município de Araras (SP), disse estar satisfeito com as informações recebidas nas palestras que serão aplicadas em seu sistema de criação de ovinos. “Ao longo de 16 anos de criação de ovinos temos empregado a tecnologia transferida pelo IZ e sua equipe de profissionais”, destaca.

“Espero que ocorram mais cursos regulares para a formação de mão de obra técnica e especializada em todas as etapas da cadeia produtiva da carne ovina, pois é muito importante para produtores que carecem de técnicos especializados na área”, completa Arriel Gomes.

Rafael Freitas, de Uberaba (MG) também participou do curso e disse que obteve as informações teóricas e práticas que buscava tanto sobre manejo, seleção de animais como sobre os cortes especiais e defumados. “Pretendo aplicar na distribuidora Cordeiro Seleto em Presidente Prudente (SP), aumentando assim a oferta de produtos processados”, afirma.

O encontro recebeu o apoio dos parceiros Starrett, New Max, Aspaco e Coopermota.

Por Lisley Silvério (MTb. 26.194)
Assessora de Imprensa – IZ

Pin It

Notícias por Ano