cabecalho apta130219

IZ tem 23 novos projetos de pesquisa aprovados pela Fapesp

Com 224 servidores, sendo 60 pesquisadores científicos, o Instituto de Zootecnia (IZ/APTA/SAA) está há 101 anos, gerando pesquisa e conhecimento para o desenvolvimento da agropecuária paulista e nacional, e este ano inicia seu 2º centenário com chave de ouro. O Instituto registra crescimento na difusão de tecnologia com os novos projetos experimentais em implantação e a aprovação de dois financiamentos por editais públicos, para melhorias na infraestrutura e modernização de laboratórios. Com a aprovação de 90% dos projetos enviados a FAPESP, houve um aumento significativo de novos trabalhos nas áreas experimentais do IZ. Para Daina Gutmanis, Assessoria de Pesquisa do IZ, com o impulso na pesquisa científica tecnológica diante da capacitação dos novos pesquisadores houve um grande avanço para o Governo do Estado. “Do ano de 2003 para 2005 ocorreu um aumento de 8 para 23 novos projetos iniciados no IZ”, afirma. O Instituto destaca-se na pesquisa com relevantes trabalhos na área agropecuária, gerando tecnologias para o agronegócio paulista, como sistema de produção intensiva de ovinos para abate superprecoce; realização de testes para identificação de genótipos superiores para maciez da carne; programa de melhoramento genético de raças zebuínas brasileiras; caracterização genética de bovinos por meio de marcadores moleculares e suas relações com raças européias e zebuínas; avaliação de novos acessos de gênero Brachiaria para obter cultivares persistentes sob pastejo animal; produção animal para corte com uso de banco de proteína e suplementação para reduzir a idade de abate; sistemas silvipastoris para minimizar o efeito estufa com o seqüestro do Gás Carbônico. Em melhoramento genético de plantas forrageiras há um programa de hibridação de plantas forrageiras – gramíneas e leguminosas – realizado pelos pesquisadores do Instituto de Zootecnia e do Instituto Agronômico,, da APTA/SAA-SP. O IZ já tem resultados de plantas de leguminosas forrageiras com boa produção de massa, em cerca de nove toneladas de matéria seca por hectare. O Centro de Gado de Leite tem realizado estudos para garantir a qualidade do leite diante da saúde e bem estar do animal, que conseqüentemente levará a melhor qualidade dos derivados. Dentre os diversos estudos está a modificação do ambiente no qual o animal está inserido, amenizando o efeito do estresse térmico, aumentando a produção de leite e as defesas imunológicas do animal, diminuindo, conseqüentemente a ocorrência de doenças. O Centro de Pesquisa Gado de Corte do IZ, em Sertãozinho, também se destaca no melhoramento genético de zebuínos e Caracu. O Projeto de Seleção é conduzido em sistema de produção compatível com as condições brasileiras. Em 25 anos de seleção, a média de peso ao desmame dos bezerros aumentou 33kg, a média do peso dos machos e das fêmeas aumentou 61kg e a média do peso da carcaça aumentou 55kg, tanto com engorda em confinamento como em pasto. Essas tecnologias são repassadas ao rebanho brasileiro pormeio de inseminação artificial e transferência de embriões. Adequado às necessidades dos pequenos e médios produtores paulistas, o IZ vem intensamente difundindo o Sistema Intensivo de Produção de Ovinos, que utiliza pastagens de excelente qualidade, com manutenção de elevado número de ovelhas por área, com manejo de reprodução intensificado e terminação dos cordeiros para abate superprecoce, com idade próxima aos 100 dias de vida. Outra atividade importante foi a ativação da unidade de suínos que recebeu, no início deste ano, 216 leitões machos e fêmeas para o projeto "Teste de exigências Nutricionais de leitões desmamados". Modernização – O IZ foi contemplado, este ano, com a aprovação de financiamento para infraestrutura e modernização, por meio de editais públicos. Segundo o diretor do IZ, Paulo Bardauil Alcântara, a Finep financiará R$260.000,00 para reforma e modernização do laboratório de biotecnologia da reprodução (antigo SERIART) para estudos com embriões. Já o outro financiamento pela Embrapa/OEPAS, está em fase final de aprovação. Será utilizado para modernização e manutenção do banco de germoplasma de animais (sêmen/embriões) e plantas forrageiras (sementes e parte vegetativa de plantas). "Os financiamentos foram atendidos, principalmente, diante da avaliação dos currículos dos pesquisadores, atualmente, em sua maioria com doutorado e pós doutorado", diz Bardauil.
Pin It

Notícias por Ano