Apta

Integração lavoura-pecuária-silvicultura: primeiros produtores já utilizam o sistema no noroeste paulista

O sistema de integração lavoura-pecuária-silvicultura (ILPS) na região noroeste do Estado de São Paulo tem-se mostrado ótima alternativa para a produção de grãos, madeira e forragem na mesma área, de acordo com resultados parciais de projeto desenvolvido no Polo Noroeste Paulista/APTA Regional da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.  Quatro produtores da região já estão utilizando o sistema, numa área de aproximadamente 50 hectares.
O híbrido de eucalipto Grancam 1277, com melhor desempenho em altura, diâmetro e DAP (diâmetro à altura do peito, convencionado como o diâmetro do tronco a 1,3 m de altura), permite antecipar a entrada do gado no sistema. Outro resultado é que a produtividade do milho, em consórcio com a forrageira Urochloa brizantha, nos sistemas de integração lavoura-pecuária (ILP) e ILPS, foi semelhante à produtividade de milho solteiro, cultivado em sistema de plantio direto. Assim, estes sistemas conservacionistas podem ser recomendados para a região noroeste paulista.
O trabalho tem como meta a adoção da tecnologia por pelo menos 10% dos produtores do noroeste paulista, diz o pesquisador Wander Luis Barbosa Borges, coordenador do projeto. Ele é importante para o desenvolvimento regional na medida em que vai incentivar a diversificação de renda com o cultivo de grãos, animais e árvores na mesma área. Iniciado em 2009, o projeto tem previsão de término em 2017.   
Além de Borges, a equipe do projeto “Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na região Noroeste do Estado de São Paulo” é formada pelos pesquisadores Rogério Soares de Freitas, Giane Serafim da Silva, Adelina Azevedo Botelho e Wilson Luis Strada, todos da APTA Regional/Polo Noroeste Paulista; Solidete de Fátima Paziani (APTA Regional/Polo Centro Norte); Maria Luiza Franceschi Nicodemo e Carlos Eduardo da Silva Santos (Embrapa Pecuária Sudeste); Antonio Aparecido Carpanezzi e Vanderley Porfírio da Silva (Embrapa Florestas). Além da parceria APTA-SAA e Embrapa, o projeto recebeu o apoio financeiro da Fundação Agrisus. 
Breve histórico
Os trabalhos começaram em maio de 2009 em área de pastagem degradada (10 hectares) de aproximadamente 10 anos. No primeiro ano, após preparo do solo com aração e gradagens, foi semeado milheto para formação de palhada, destinada à semeadura direta da soja, e plantados dois híbridos de eucalipto (Urograndis H-13 e Grancam 1277) sobre os terraços, em sistema de linha simples.
No segundo ano, após a colheita da soja, semeou-se Crotalaria juncea como planta de cobertura e, em dezembro, plantou-se o milho em sistema de semeadura direta, juntamente com a forrageira Urochloa brizantha cv Marandu na entrelinha do milho.A colheita foi realizada em abril de 2011 e, em setembro, a área de ILPS e ILP recebeu bovinos de corte mestiços recém-desmamados, que serão mantidos em sistema de pastejo contínuo até o momento do abate. Futuramente, serão avaliados o desempenho e a sanidade dos animais. 
Mais informações podem ser obtidas com o pesquisador Wander Borges pelo e-mail wanderborges@apta.sp.gov.br.  

Acesse nosso álbum

Encontro Sobre Produção Agropecuária Sustentável (Anais 29/abril/2011) ..clique para baixar PDF...
Assessoria de Comunicação da APTA
José Venâncio de Resende
Eliana Christina da Silva (estagiária de relações públicas)
(11) 5067-0424
       
               

Pin It

Notícias por Ano