cabecalho apta130219

Integração lavoura-pecuária-floresta é tema de palestra no VI Seminário de Conservação do Solo e Proteção de Recursos Naturais

Há quatro anos a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), por meio do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, iniciou pesquisas em Sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) no Estado de São Paulo. Os resultados desse trabalho serão apresentados no VI Seminário de Conservação do Solo e Proteção de Recursos Naturais, nos dias 14 e 15 abril de 2014, na Sede do IAC, em Campinas. Esse sistema agrega a agricultura, a pecuária e a floresta na mesma propriedade, tendo como benefícios a conservação da água e do solo, o sequestro de carbono, a diversificação de produtos e a manutenção do homem no campo. “A ILPF permite ganhos ambientais, econômicos e sociais”, diz o pesquisador do IAC, Wander Luis Barbosa Borges.
O pesquisador informa que para o Estado de São Paulo recomenda para o sistema as culturas de soja, milho, eucalipto, ovinos, bovinos de corte e leite. Borges explica, que embora a maioria das pessoas não relacione  São Paulo com áreas florestais, o Estado é um importante produtor de eucalipto para consumo, principalmente pelas indústrias de celulose. Com a ILPF, cria-se a opção para destinar a madeira para carvão ou serraria, além da celulose.
Os produtores de outras localidades brasileiras podem adotar o sistema, porém devem ficar atentos às condições as condições dos solos, clima e demais interferências. “O ideal é escolher materiais adaptados à cada condição edafoclimática”, afirma o pesquisador do IAC, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O investimento para a implantação da ILPF é de aproximadamente R$ 5.000,00 por hectare. Porém o pesquisador afirma que o componente florestal gera receita significativa a longo prazo.
A pesquisa desenvolvida por meio de parceria com a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, Coordenadoria de Assistência Técnica Integral e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária possibilitou a implantação do sistema ILPF em áreas das respectivas unidades e também em propriedades particulares. Foram realizados dias de campos nas unidades demonstrativas dos municípios de Olímpia, Aspásia e Brotas e diversas palestras em várias regiões do Estado, nos quatro anos de estudos.
Engenharia de Conservação do Solo e Água
Os pesquisadores do IAC, Afonso Peche Filho e Isabella Clerici De Maria, apresentarão a palestra sobre Engenharia de Conservação do Solo e Água, em 15 de abril, às 16h. Essa é uma prática que estabelece modelos de gestão e obras com o objetivo de evitar o esgotamento dos solos e conter o consumo dos recursos naturais, que gera poluição, desgaste e destruição da flora e fauna.
Os pesquisadores do IAC irão explicar as etapas da implantação do modelo de gestão. Peche informa que as tecnologias de sensoriamento remoto e geoprocessamento colaboram para análise do uso atual das terras. “A identificação da posição geográfica da área e dos elementos naturais e antrópicos são fundamentais”, afirma o pesquisador do IAC. Isabella explica que após esse mapeamento é iniciado o planejamento de produção agrícola integrando técnicas com o objetivo de promover as tecnologias adotadas, o regime de chuvas, a energia do sol e a cobertura permanente do solo.
A prática busca minimizar os efeitos da poluição e da erosão provocados pelas chuvas, ventos e atividades humanas. A manutenção e aumento da cobertura superficial e a capacidade de infiltração da água é um ponto básico. “A infiltração é um dos fenômenos que melhor reflete as condições internas do solo. O conceito de drenagem superficial e ambientes de infiltração busca orientar projetos e tomada de decisões no que se refere à melhor forma de ocupar e explorar o solo”, diz Isabella.
Eles explicam que o redirecionamento na gestão para uso e produção no espaço conservado busca estabelecer diretrizes claras e modernas de administração, gerenciamento e execução de atividades de manutenção e análise dos riscos estruturais das obras construídas.
VI Seminário sobre Conservação do Solo e Proteção de Recursos Naturais e II Dia de Campo sobre Conservação e Qualidade do Solo
O Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, realiza de 14 e 15 de abril, na Sede, em Campinas, o VI Seminário sobre Conservação do Solo e Proteção de Recursos Naturais e II Dia de Campo sobre Conservação e Qualidade do Solo. Os principais temas a serem abordados são as pesquisas da defesa agropecuária e da assistência técnica em relação à conservação do solo e proteção de recursos naturais, a convivência natural entre áreas urbanas, de produção agropecuária e de conservação da vegetação natural por meio de sistemas produtivos de manejo integrado e esforços de preservação e recomposição florestal e a readequação de áreas degradadas por processos erosivos de grande severidade para recuperação da qualidade ambiental.
Para o II Dia de Campo sobre Conservação e Qualidade do Solo serão apresentadas discussões sobre a cobertura do solo com palha de cana-de-açúcar, aplicação de resíduos em áreas agrícolas, o perfil do solo para avaliação da qualidade do ambiente agrícola, avaliação visual da qualidade do solo, infiltração e permeabilidade do solo, plantio direto e adubos verdes.
Serviço
VI Seminário de Conservação do Solo e Proteção de Recursos Naturais e II Dia de Campo Sobre Conservação e Qualidade de Solo
Data: 14 e 15 de abril de 2014
Horário: 8h às 17h
Local: Avenida Barão de Itapura, 1481 Campinas – São Paulo
Mais Informações:
 
Pin It

Notícias por Ano