cabecalho apta130219

Instituto Biológico transferirá informações sobre manejo de pragas e doenças da roseira em Guararema

Os agricultores familiares da região de Guararema, interior paulista, poderão contar com o auxilio da pesquisa paulista no manejo das pragas e doenças que interferem o desenvolvimento econômico da produção de rosas. Pesquisadores do Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, levarão para o município o Programa de Sanidade em Agricultura Familiar (Prosaf), em 28 de setembro de 2016, a partir das 15 horas. A ocorrência de pragas e doenças pode inviabilizar a comercialização de plantas ornamentais, que têm como principal atrativo a beleza.
O treinamento tem como público-alvo produtores de rosas da região. A ideia é que as apresentações dos pesquisadores do IB auxiliem os pequenos produtores e agricultores familiares a sanar dúvidas sobre o cultivo. “Será uma conversa com os produtores, em que eles poderão nos questionar sobre os problemas que afetam suas produções”, diz o pesquisador da Secretaria que atua no IB, Mário Eidi Sato.
Um dos temas que serão abordados no evento são as doenças fúngicas, como míldio e o oídio, que estão entre os principais limitantes na produção de rosas, pois comprometem a produção e a estética das flores, podendo inviabilizar seu cultivo econômico. O míldio pode gerar perdas de 50% a 100% da produção, enquanto o oídio gera de 40% a 80%. Além disso, eles também afetam a estética das rosas, um elemento fundamental para o mercado de plantas ornamentais. “Algo que será utilizado para ornamentar não pode apresentar defeitos. Nesse sentido, as doenças fúngicas podem inviabilizar a comercialização”, diz o pesquisador da Secretaria que atua no IB, Jesus Töfoli.
O míldio é causado pelo fungo Oomycota Peronospora sparsa Berk e conta com alto potencial destrutivo, pois pode causar a desfolha total das plantas, que têm suas folhas enroladas, secas e caídas. “A doença tem desenvolvimento rápido e apresenta-se em forma de manchas nas folhas, de coloração violeta na face superior e branco-acinzentado na inferior”, afirma, Töfoli.
O oídio é causado pelo fungo Oidium leuconium (Podosphaera pannosa) e apresenta manchas branco-acinzentadas nas folhas, brotos, gemas, ramos e botões das rosas. O fungo causa enrolamento de folhas, crescimento irregular dos ramos, botões deformados e folhas e flores distorcidas, além da desfolha.
De acordo com o pesquisador do IB, as duas doenças são favorecidas pelo clima. Enquanto a primeira se beneficia das quedas bruscas na temperatura associadas à alta umidade do ar, a segunda se favorece das temperaturas entre 18 e 25ºC em conjunto com a ausência de água livre na superfície da folha.
Töfoli destaca que, para o manejo das doenças, recomenda-se o plantio de cultivares com algum nível de resistência, em locais livres de acúmulo de umidade, emprego de adubação equilibrada, adoção de espaçamento adequado e a aplicação preventiva de fungicidas registrados.
Durante a apresentação, o pesquisador abordará os sintomas das doenças e como deve ser o manejo.
Manejo de ácaros e cochonilhas em roseiras
Na apresentação sobre o manejo de ácaros e cochonilhas em roseiras, Mário Eidi Sato apresentará a palestra sobre estratégias de manejo, com ênfase ao controle biológico, uma forma de lidar com as pragas sem o uso de produtos químicos.  Os ácaros e as cochonilhas podem causar grandes prejuízos econômicos, podendo inviabilizar a cultura da roseira, quando não controlados adequadamente. O maior problema está na redução do valor comercial das flores.
De acordo com Sato, o ácaro-rajado é considerado uma das principais pragas para a produção de rosas. A praga ataca diversas plantas cultivadas, incluindo a roseira, se alimenta de várias partes da planta, principalmente da parte inferior das folhas, por meio da inserção de estiletes e sucção do conteúdo celular, tornando as folhas cloróticas, com consequente desfolhamento e redução na quantidade e qualidade das flores. Atualmente, controle é realizado quase que exclusivamente com uso de agroquímicos, porém, Instituto Biológico tem realizado pesquisas com controle biológico da praga, em que são utilizados ácaros predadores de ocorrência natural para o combate à praga.
“O ácaro predador da espécie Neoseiulus californicus tem se mostrado bastante promissor, com excelentes resultados no controle biológico do ácaro-rajado. O sucesso desse programa pode fazer com que os produtores passem a acreditar na eficiência desses inimigos naturais. Isto pode beneficiá-los, para que não fiquem sujeitos à intoxicação durante a aplicação de defensivos, as plantas, além de diminuir a mão de obra e reduzir o custo de produção”, diz o pesquisador.
As cochonilhas são pequenos insetos de dois a cinco milímetros de comprimento, de formato arredondado e cores variadas, como branco, marrom e verde.  Segundo o pesquisador, existem dois tipos de cochonilhas: as de carapaças (escamas) e as farinhosas, que se apresentam revestidas por uma secreção serosa que lembra algodão. “Quando o seu ataque é intenso, as cochonilhas podem causar queda de folhas e provocar o secamento dos ramos. Elas vivem em colônias sobre as plantas. Além do dano direto, devido à sucção de seiva, o valor da planta ornamental é reduzido pelo aparecimento da fumagina – fungo formando uma película preta que cobre as folhas – em consequência das secreções produzidas por esses insetos”, explica.
Prosaf
Lançado em 2009, o Programa de Sanidade em Agricultura Familiar (Prosaf) já auxiliou cerca de dois mil produtores rurais paulistas a melhorarem a sanidade vegetal e animal em suas propriedades. Com ações de curto, médio e longo prazo, os pesquisadores do IB identificam as pragas e doenças que ocorrem nas propriedades e propõem técnicas de manejo para melhorar a produção. Resultado: aumento da renda, melhoria na qualidade dos produtos ofertados aos consumidores, redução do uso de produtos químicos e produção com sustentabilidade.
“O Prosaf é um programa muito importante, pois transfere conhecimento e tecnologia para os pequenos e médios produtores. Uma das orientações do governador Geraldo Alckmin é justamente dar atenção aos produtores familiares”, afirma Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.
O programa, coordenado pelo IB, é realizado em parceria com as unidades regionais da APTA, Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), prefeituras municipais, associações de produtores e cooperativas.
SERVIÇO
Prosaf Manejo de pragas e doenças em roseiras

Data: 28 de setembro de 2016
Horário: das 15h às 16h30
Endereço: Estrada Ohara, nº 1.102, Lambari, Guararema (SP)
Inscrições: (11) 947234510 (Ariane – Sebrae/SP) ou (11) 946931432 (Sheila – Prefeitura de Guararema)
Programação:
15h – Manejo de ácaros e cochonilhas em roseiras
15h30 – Manejo de míldio e oídio em roseiras
16h – Debate
16h30 – Encerramento
Por Giulia Losnak (estagiária) e Fernanda Domiciano
Assessoria de Imprensa – APTA
(19) 2137-8933

Pin It

Notícias por Ano