cabecalho apta130219

IAC tem laboratórios credenciados pelo MAPA e acreditados pelo INMETRO

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, tem o único Laboratório de Análise Química de Fertilizantes e de Resíduos público do Brasil credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para analisar fertilizantes e resíduos. Além do IAC, um laboratório particular no Rio Grande do Sul também é credenciado para essa finalidade. Por ano, 2.500 análises de fertilizantes e de resíduos são feitas pelo Laboratório de Análise Química de Fertilizantes e de Resíduos do IAC.
Os diagnósticos feitos pelo laboratório do IAC são importantes para o agronegócio, pois auxiliam o MAPA na fiscalização de empresas, garantindo a qualidade dos insumos que serão aplicados no solo.
A acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), reconhecido internacionalmente, comprova a qualidade das análises e proporciona maior organização nos procedimentos. A ISO 17025 viabiliza a rastreabilidade e garante a identificação de informações sobre origem da amostra, data de chegada e solução utilizada, dentre outros dados. O Laboratório do IAC consegue rastrear amostras dos últimos cinco anos e todas as informações envolvidas.
A adequação das estruturas físicas, compatíveis com as exigências para credenciamento e acreditação, foi viabilizada com investimentos do Governo de São Paulo e de agências de fomento.
Além de colaborar com o Ministério da Agricultura, os laboratórios credenciados também prestam serviços a outros públicos. Empresas de saneamento e consultores ambientais também são clientes do Laboratório.
Resíduos urbanos agrícolas e industriais — que possam ser usados como fertilizantes — também são analisados no Laboratório de Análise Química de Fertilizantes e de Resíduos do IAC. Essas análises são solicitadas por empresas de saneamento, consultores ambientais e pesquisadores.
Interessados em submeter amostras para análise de fertilizantes e resíduos podem entrar em contato pelo e-mail é: qualidade@iac.sp.gov.br.
“O credenciamento pelo Ministério da Agricultura é o reconhecimento da competência técnica e científica dos institutos paulistas; São Paulo colabora com o Brasil, como recomenda o governador Geraldo Alckmin”, diz o secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim.
Outros dois laboratórios do IAC são acreditados pelo Inmetro
No IAC, também são acreditados pelo Inmetro o Laboratório de Fertilidade do Solo, acreditado em análises de micronutrientes em solos, e o Laboratório de Física do Solo, acreditado em análise granulométrica onde são feitas, por ano, 1.259 análises granulométricas, englobando 10.676 determinações.
O conhecimento de todos os fatores envolvidos na produção é imprescindível para uma agricultura moderna e para um ambiente limpo. Entre esses fatores, destacam-se os atributos físicos do solo.
Arnaldo Jardim explicou que é essencial que o equilíbrio entre falta e excesso de água no ambiente radicular seja cuidadosamente controlado. “O manejo hídrico deve ser visto como prioridade na produção agrícola e a perda de água por evaporação e/ou drenagem deve ser reduzida ao mínimo. Outro limitante da produção é a presença de camadas compactadas, geralmente resultantes de operações inadequadas de manejo do solo, que restringem o crescimento radicular”, disse.
O Laboratório de Física do Solo do IAC está capacitado para realizar as seguintes análises de atributos físicos: granulometria e argila dispersa em água (com credenciamento junto ao CGCRE/INMETRO   Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial   na norma NBR ISO/IEC 17025:2005), retenção da água, densidade, porosidade, agregação, permeabilidade, infiltração de água, compactação.
A análise granulométrica é essencial para o conhecimento da textura, classificação, erodibilidade, além de outras aplicações nas áreas de química e física do solo.  A determinação da curva de retenção da água no solo permite uma estimativa da quantidade de água retida no solo e à disposição das plantas. Na análise de sistemas de manejo do solo, no dimensionamento de sistemas de irrigação e no controle da irrigação com tensiômetros, os parâmetros calculados com os dados da curva de retenção são fundamentais, como a capacidade de campo e o ponto de murcha (PMP). À diferença entre esses dois pontos dá-se o nome de água disponível, que é uma medida importante para que possam ser determinados a quantidade e o tempo ótimos de aplicação de água numa irrigação.
A permeabilidade do solo é um indicador da facilidade com que a água se move no perfil do solo, medida por meio da condutividade hidráulica. É valiosa para a determinação de taxa de aplicação de água em sistemas de irrigação e dimensionamento de diâmetro e espaçamento de drenos.
A taxa de infiltração de água no solo fornece indicação da quantidade de água a ser aplicada ao solo por irrigação, para que não ocorram nem enxurrada e nem perdas por drenagem. A compactação utilizada como indicadora da qualidade da estrutura do solo é a modificação de sua estrutura, prejudicial ao desenvolvimento da planta. Traduz-se pelo aumento da densidade do solo, redução da porosidade e aumento da resistência que o solo oferece à penetração da raiz. A identificação da presença e profundidade de camadas compactadas é importante para a definição de ações a programar, ou não, de manejo do solo, como subsolagem, por exemplo. A agregação é uma propriedade dinâmica, altamente sensível ao manejo que se dá ao solo e relacionada com o teor de matéria orgânica e com a textura do solo.  Alterações na estabilidade dos agregados interferem na resistência do solo ao impacto da gota de chuva e, consequentemente, na erosão.
Texto: Assessoria de Imprensa IAC

Pin It

Notícias por Ano