cabecalho apta130219

IAC apresenta novas variedades de feijão e milho na Agrishow 2016

IAC apresenta na Agrishow nova cultivar de feijão mais produtiva e resistente a doenças

Por Carla Gomes (MTb 28156) – Assessoria de Imprensa – IAC

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto Agronômico (IAC-APTA), irá apresentar na Agrishow 2016 a cultivar de feijão do tipo carioca IAC Sintonia. O evento será realizado de 25 a 29 de abril, em Ribeirão Preto, interior paulista. O IAC é ligado à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).
A nova cultivar apresenta alto potencial produtivo, com produtividade média de 3.941 quilos, por hectare, na época de semeadura de inverno, 3.553 quilos, por hectare, na época de semeadura das águas e 2.131 quilos, por hectare, na semeadura da seca. Esses resultados foram observados em 18 experimentos realizados no Estado de São Paulo, de 2013 a 2015.
Esta produtividade supera, nas três épocas, a da IAC Milênio, cultivar que antecedeu a IAC Sintonia. A IAC Milênio apresenta, respectivamente nas três épocas, produtividade de 3520 quilos, por hectare; 2.835 quilos, por hectare, e 2.058 quilos, por hectare.
“O potencial produtivo médio observado em lavoura, no ano de 2014, em Campinas, foi de 4.740 quilos, por hectare, com colheita manual em área de um hectare”, afirma o pesquisador do IAC, Alisson Fernando Chiorato.
A cultivar IAC Sintonia apresenta ciclo semi-precoce, ao redor de 85 dias da emergência à colheita, conforme as condições de cultivo impostas. Esse ciclo representa uma redução de 15 dias em relação ao ciclo normal da cultura.
A semi-precocidade pode contribuir para reduzir as perdas do feijoeiro em decorrência do estresse hídrico, nas regiões com baixo índice pluviométrico, que já plantam cultivares de feijão IAC. Segundo o pesquisador do Instituto Agronômico, diminuir a permanência do feijoeiro no campo é importante para reduzir a exposição da planta ao estresse hídrico. “A falta d’água pode levar à perda diária de 74 quilos de feijão, por hectare. Daí a importância de a cultivar ser precoce ou semi-precoce e, assim, permanecer por menor tempo no campo”, diz.
O tamanho dos grãos da IAC Sintonia é outra característica de grande interesse para agricultores e indústria. “O setor de produção prefere grãos com peneiras acima do tamanho 12”, afirma.
Outra vantagem da nova cultivar é a resistência ao patógeno da antracnose (Colletotrichum lindemuthianum) e a tolerância à murcha de fusarium (Fusarium oxysporum). Essas duas doenças estão entre as principais que atacam o feijoeiro e representam cerca de 25% dos custos com controle químico na lavoura. “Ao reduzir a necessidade de pulverização, estamos contribuindo para baixar custos para o produtor e também para minimizar impactos ambientais, além de colaborar com a saúde do trabalhador rural e do consumidor”, avalia.
Ainda no rol de benefícios para o consumidor, a IAC Sintonia traz teor de proteína de 21% e tempo de cozimento em torno de 25 minutos, em condições de panela de pressão, com caldo espesso e com grãos grandes e inteiros, como preferem os apreciadores de feijão.
“Vale ressaltar que o melhoramento de feijão trabalhado no IAC vem agregando essas características que atraem o consumidor final com o objetivo de contribuir com o aumento do consumo deste grão. Esse pacote tecnológico também atende à demanda da indústria que processa o feijão que vai chegar à mesa das famílias”, afirma o diretor-geral do IAC, Sérgio Augusto Morais Carbonell, pesquisador da área de feijão.
Recomendações técnicas
De acordo com Chiorato, a cultivar IAC Sintonia responde muito bem à adubação nitrogenada. A recomendação é adotar doses ao redor de 100 quilos, por hectare, de nitrogênio, principalmente em áreas com a ocorrência de Fusarium oxysporum, visando aumentar a vegetação da planta para melhor enchimento dos grãos. “Deve-se realizar a adubação nitrogenada com 25 dias após a germinação para que não ocorram deficiências durante o florescimento e trabalhar da mesma forma com o potássio, caso não seja realizada a aplicação deste elemento durante a semeadura”, recomenda. O início do florescimento terá início aos 35 dias, após a germinação.
A nova cultivar responde bem ao manganês, com doses variando ao redor de 300 gramas, por hectare. O pesquisador destaca a necessidade de orientar a aplicação de acordo com a análise de solo.
Recomenda-se também utilizar populações ao redor de 200 mil plantas, por hectare, de modo que fiquem 10 a 11 plantas finais, por metro linear, no espaçamento de 50 cm. “Esta população foi a que se mostrou ideal para a cultivar IAC Sintonia, que apresenta porte de planta semi-ereto”, afirma.

IAC apresenta novo híbrido de milho na Agrishow 2016

Por Carla Gomes (MTb 28.156) – Assessoria de Imprensa – IAC

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto Agronômico (IAC), irá apresentar na Agrishow 2016 o híbrido de milho IAC 8077. O evento será realizado de 25 a 29 de abril, em Ribeirão Preto, interior paulista.
O IAC 8077 é um híbrido de milho convencional, isto é, não transgênico, com potencial produtivo de nove a dez toneladas, por hectare de grãos. Este potencial pode ser superado, se a lavoura for conduzida com boa tecnologia. Segundo o pesquisador do IAC, Eduardo Sawazaki, essa produtividade está acima da média dos resultados obtidos no Brasil.
O novo híbrido intervarietal apresenta alta produtividade de grãos em todas as regiões paulistas onde foi avaliado. O melhor resultado foi obtido na região Central do Estado, com 9.032 quilos, por hectare, em quatro locais de experimentos conduzidos no verão 2014/2015. No mesmo período, na região Sul, onde foram conduzidos ensaios em cinco locais, o resultado foi de 7.592 quilos, por hectare. Na região Norte/Oeste, em três locais de experimentos, foram produzidos 7.440 quilos, por hectare. Na safrinha 2015, em seis locais no Vale do Paranapanema, a produtividade foi de 5.945 quilos, por hectare, e na região Norte/Noroeste, foi de 5.629.
Este híbrido é direcionado para propriedades com baixa e média tecnologia. “Ele têm baixo custo de implantação da lavoura, 20 quilos de sementes são suficientes para o plantio de um hectare”, afirma o pesquisador.
O IAC 8077 apresenta maior tolerância à seca e ao calor. “Ele é recomendado para regiões baixas e para o plantio de verão, quando ocorre maior incidência de veranicos e altas temperaturas”, explica. O IAC 8077 tem grãos semiduros de cor laranja. É adequado para ração e serve de matéria-prima para indústria.
A altura da planta varia de 2,05 a 2,42m, no verão, e de 2,25 a 2,30m, na safrinha, com espigas que ficam de 1,00m a 1,30m do chão, no verão, e de 1,15 a 1,20m, na safrinha. A população de plantas também varia nas duas épocas. No verão, de 60 a 70 mil plantas por hectare, e na safrinha, 50 mil, na mesma área. “O ciclo até o florescimento, após a semeadura, é de 70 a 77 dias, no verão, e de 65 a 68 dias, na safrinha”, explica o pesquisador do IAC.
O custo reduzido de produção deste novo material IAC tem relação também com a boa resistência às principais doenças foliares, não necessitando de controle químico quando as condições forem desfavoráveis às doenças. O porte baixo da planta contribui para reduzir as ocorrências de acamamento e quebramento.
“Os híbridos intervarietais do IAC foram selecionados de variedades sintéticas originadas de bons híbridos simples comerciais convencionais, disponíveis no mercado, o que confere a eles boa adaptação em plantio de verão e safrinha”, afirma.

Contatos durante a Agrishow
Na Feira: Fernanda Domiciano
19 – 99269-9138/ 16 - 3911-9126
imprensa@apta.sp.gov.br
Em Campinas: Giulia Losnak
infoapta@apta.sp.gov.br
19 – 2137-8933

Pin It

Notícias por Ano