cabecalho apta130219

Discurso de Abertura do Congresso ABIPTI 2006

ABERTURA 1) Cumprimentos 2) É com grande satisfação que estamos aqui em Campinas, um Pólo da Ciência, Tecnologia e Inovação do país, realizando o Congresso ABIPTI 2006, o 4º Congresso da Abipti. 3) Por decisão da diretoria e da maioria dos associados, o tema central deste Congresso é “COMPETITIVIDADE E RIQUEZA NACIONAL: O Futuro das Instituições de Pesquisa no Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação”. 4) Na manhã de 4 e 5 de maio estaremos analisando a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação no pais, a propriedade intelectual e as barreiras técnicas, o governo como gerador de demanda e indutor de C, T&I e a recuperação e o fortalecimento do complexo científico e tecnológico brasileiro e das instituições públicas de P,D&I até o ano de 2007. 5) Complementando, as apresentações técnicas no período da tarde, trarão 5 temas estratégicos para o futuro dos IPT's, a saber: 1- Financiamento dos IPT's (alternativas de financiamento para os IPT's); 2- Modelo de Gestão (Experiência de modelos de gestão voltados à competitividade); 3- Inserção Social e Políticas Públicas (Participação dos IPT's na inserção social e no desenvolvimento econômico); 4- Visão de futuro dos IPT's; 5- Contribuição dos IPT's para a capacitação e formação profissional. 6) A Abipti foi criada em Recife no dia 8 de dezembro de 1980, pelos seguintes sócios-fundadores: 1- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Bahia (CEPED/BA); 2- Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (CETEC/MG); 3- Fundação de Ciência e Tecnologia (CIENTEC/RS); 4- Instituto Nacional de Tecnologia (INT/RJ); 5- Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT/SP); 6- Associação Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco (ITEP/PE); 7- Instituto de Tecnologia e Pesquisas de Sergipe (ITPS/SE); 8- Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (NUTEC/CE); 9- Instituto de Tecnologia do Paraná (TECPAR/PR). A idéia de criação da ABIPTI surgiu após 1975, quando foi definida a estrutura do Sistema Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e atribuída ao CNPq a função de entidade coordenadora. Atuando então como presidente do CNPq, o atual secretário-executivo da ABIPTI, Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, trabalhou, em articulação com a Finep, no incentivo à criação da ABIPTI pelos Institutos de Pesquisa. A proposta era que a Associação se constituísse como interlocutora do CNPq para o segmento tecnológico, naquela época. 7) Em 2005, 25 anos depois da sua criação, a ABIPTI reune associados das 27 unidades da Federação e possui uma vice-presidencia em cada região brasileira. A capilaridade da Associação tem atraído parcerias estratégicas e tem possibilitado a participação no desenvolvimento de ações de expressão, a exemplo das conferências regionais preparatórias para a 3ª Conferência Nacional de CT&I. 8) Hoje a Abipti tem como Missão: Promover a participação das Instituições de pesquisa e desenvolvimento tecnológico no estabelecimento e na execução da política de desenvolvimento nacional. 9) E como propósitos: - Promover o debate e disseminar informações sobre as atividades de pesquisa tecnológica e sobre as políticas e ações de CT&I entre os associados e parcerias. - Contribuir para o desenvolvimento tecnológico do país, mediante mobilização dos Institutos afiliados e demais parceiros institucionais. - Ampliar a capacitação gerencial das entidades tecnológicas. - Realizar a capacitação em inovação tecnológica. - Promover a popularização da CT&I. - Contribuir para o desenvolvimento sustentável e menos desigual. - Realizar projetos cooperativos para implementar processos de gestão do conhecimento entre os afiliados. 10) Ao mesmo tempo em que comemora o desenvolvimento dessas ações, a ABIPTI trabalha para a consolidação e a maior representatividade do segmento tecnológico. Sua atuação para ampliar a participação das instituições de pesquisa e desenvolvimento tecnológico na elaboração e execução de políticas para o setor é considerada vital. Aos 25 anos, a ABIPTI tem essa ação como desafio permanente. 11) Resumidamente vale salientar alguns dos principais e estratégicos projetos da ABIPTI: 1) Gestão C&T (online e folheto) 2) Informe ABIPTI 3) Informe TIB 4) Programa Excelência na Gestão dos IPT's 5) Observatório de oportunidades internacionais para a inclusão social. 6) Avaliação da efetivação de arranjos produtivos locais. 7) Programa de plataformas tecnológicas. 8) Programa Editorial da Abipti e Base de dados Abipti/Finep 9) Programa TIB e apoio à Engenharia 10) Universidade corporativa 12) Na mesa redonda sobre a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação dos IPT's (Públicas) de amanhã, enfatizarei o progresso da Área de C,T&I de 1999 a 2006 ocorrido no Brasil, salientando: 1- Reestruturação do financiamento sem retorno através da criação dos fundos setoriais; 2- Retorno do diálogo à Comunidade Científica, Publicação do Livro Verde em Conferências Nacionais de CT&I (2001 e 2005); 3- Incorporação da dimensão da inovação no MCT; 4- Recuperação dos incentivos para o desenvolvimento da C&T por parte das empresas privadas; 5- Fortalecimento de ações regionais P,D&I 6- Criação do CGEE ( Centro de Gestão de Estudos Estratégicos) 7- Lei de Inovação; 8- Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE; 9- MP255-MP do Bem 10-Criação da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial- ABDI; 11) Reorganização da Finep com a criação da ATED Área de Institutos de Pesquisas Tecnológicas e de Difusão Tecnológica; 12-Regulamentação do FNDCT 13) A Ciência,Tecnologia e Inovação no Brasil evoluiu principalmente de 1999 a 2006 no Brasil. 14) O sistema das Instituições de Pesquisas Públicas ainda não. 15) Com base na análise da Diretoria da ABIPTI nestes dois últimos anos, e na carta de Brasília, decorrente do Seminário da Abipti de 10 e 11 de abril passado, na Camara dos Deputados, recomendamos: 1 – O estabelecimento de uma política específica para os Institutos de Pesquisa Tecnológica, Públicos e Privados, que leve em conta suas particularidades e especificidades deste importante componente do Sistema Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (SNDCT), que reconheça seu caráter diferenciado de estruturação e de atuação e ainda que contemple aspectos relacionados com uma maior autonomia técnica, educacional, financeira e administrativa, facilitando suas inserções no processo de desenvolvimento tecnológico nacional; 2 – Criar, através dos instrumentos de incentivo diretos das Agências públicas, as condições necessárias para uma implantação de instituições de pesquisa tecnológica em regiões menos desenvolvidas, que atendam as demandas de desenvolvimento tecnológico requeridas por estas regiões; 3 – Incentivar e promover o trabalho em rede das Instituições de Pesquisa Tecnológica, buscando a integração de pesquisas, serviços e uso compartilhado de equipamentos e laboratórios em benefício da sociedade; 4 – Reconhecer o caráter diferenciado dos Institutos de Pesquisa Tecnológicos, no sentido de permitir uma participação mais condizentes com suas possibilidades e potenciais em editais e chamadas de projetos dos Fundos de incentivo ao desenvolvimento tecnológico; 5 – Visando definir o potencial das IPT´s, faz-se necessário o desenvolvimento e implantação de uma base de dados sensitária, continuamente atualizada, que defina o perfil quantitativo e qualitativo das competências instaladas. 6 – Estruturação de Modelos Jurídicos Administrativos adequados à Inserção dos IPT´s no Novo Cenário de C,T&I que deverá existir no Brasil. 16)Na comemoração dos vinte e cinco anos da Abipti, em Brasília no dia 8 de dezembro de 2005, aniversário de nosso querido e reconhecido Secretário Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, lançamos o livro: Uma Associação para a Tecnologia Brasileira. Abipti 25 anos de Shozo Motoyama, Paulo Queiroz Marques e Maria Angélica Rodrigues Quemel. Pedimos ao nosso Secretário que faça a entrega de um exemplar para o Exmo Ministro Dr. Sérgio Rezende. Informando que todos os presentes também estarão recebendo esta obra. 17)Os nossos agradecimentos a toda a equipe da Abipti, na pessoa do Lynaldo e em especial, a esta dedicada e lutadora diretoria composta por: 1- Isa Assef – FUCAPI – REGIÃO NORTE 2- Fátima Brayner – SECTMA – REGIÃO NORDESTE 3- Kepler Euclides Filho – EMBRAPA – REGIÃO CENTRO OESTE 4- Caio Nelson de Carvalho – CETEC – REGIÃO SUDESTE 5- Nelson Marco Rodrigues – FUNDAÇÃO PTI – REGIÃO SUL Agradeço também a dedicação de nossos funcionários e colaboradores, parceiros das nossas realizações. 18) Senhoras e Senhores. Envolvido de 1999 a 2003 como vice presidente da Abipti, e de 2004 a 2006, como presidente, participei do crescimento da Abipti como ferramenta estratégica e política do Sistema Brasileiro de Ciência, Tecnologia e Inovação. 19) Em 2005 fizemos a primeira pesquisa de satisfação junto aos Associados coletando uma série de informações e sugestões que balizarão nossas atividades futuras. 20)A assembléia da Abipti, realizada no dia de hoje, reelegeu para mais 2 anos a atual diretoria para que possamos dar continuidade às prioridades aqui apresentadas. 21) Este é o nosso 4º Congresso da Abipti. Como presidente, agradeço: 1- Toda a equipe da ABIPTI 2- Comissão Técnico-científica 3- Comissão Organizadora 4- Palestrantes e dirigentes de mesa 5- Instituições Apoiadoras 6- Patrocinadores 6.1 Governamentais: - SEBRAE NACIONAL - FINEP - CNPq - IEL NACIONAL - CONFEA - ABDI - EMBRAPA - PETROBRÁS - INPI - FAPESP - SECRETARIA DE CIÊNCIA TECNOLOGIA DO ESTADO S. PAULO - INSTITUTO ELDORADO - FUNDEP 6.2. Empresariais: - TETRAPAK – Coquetel - COCA-COLA – Jantar - VINHOS SALTON - AMBRIEX - FACULDADE JAGUARIÚNA - UNIVERSIA 7- Ministro Sérgio Rezende e autoridades 22) Senhoras e Senhores. Ministro Sérgio Rezende. Acreditamos que ao contribuírmos para o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro, estamos contribuindo para o desenvolvimento sócio-econômico do país e para o estabelecimento de uma sociedade mais justa, menos desigual e de melhor futuro. Muito obrigado
Pin It

Notícias por Ano