cabecalho apta130219

Cotações devem manter-se firmes em 2007

Os preços do café devem continuar em alta até a colheita da safra brasileira, por conta principalmente dos baixos estoques mundiais e perspectiva de aumento do consumo nacional. As perspectivas de analistas de mercado são que as cotações fiquem acima das atuais - R$ 270 a saca do café arábica tipo 6 - podendo bater os R$ 300 a saca até o final do ano e ficar a patamares superiores a este em 2007. "Acredito que o preço deve ir a um patamar superior ao de hoje", disse o analista de mercado de café da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Jorge Queiroz, durante o 14 Encontro Nacional das Indústrias de Café (Encafé). Desde agosto, o preço da saca de café subiu 26,4% por conta do clima desfavorável à florada e à perspectiva de queda da safra 2007/08, devido à bianualidade da cultura - em que a produção se alterna entre uma safra e outra. Para o economista da Safras & Mercado, Gil Barabach, a cafeicultura está saindo de uma crise, cujo auge foi em 2002 quando a saca chegou a US$ 34, ocasião em que houve excedente de produção. Conforme estima o especialista, o preço deve atingir a marca de US$ 136 logo no início de 2007, alcançado o pico registrado em março de 2005, que foi o maior dos últimos sete anos. "O setor demonstra sinais claros de que o produtor terá uma boa rentabilidade. O mercado de café tem fôlego para continuar subindo até o fim do ano e continuar em alta até a entrada da nova safra no ano que vem", pondera Barabach. Ele disse que este cenário deverá ser reforçado pelo tamanho da safra 2007/08, cujo primeiro levantamento inicia-se nesta semana pelos técnicos da Conab. No ano que vem poderá faltar café no mercado interno. Barabach diz que o Brasil necessita de 43 milhões de sacas anuais para atender o mercado doméstico, que deve chegar a 17 milhões de sacas ano que vem, e as exportações, ao redor de 26 milhões de sacas. Com a bianualidade, acredita-se uma safra 20% menor - algo entre 32 e 33 milhões de sacas. Mas além da bianualidade, ainda existem os problemas climáticos nas regiões de Minas Gerais, que provocaram frustração na florada e nos chumbinhos do café.
Pin It

Notícias por Ano