cabecalho apta130219

COOPERATIVAS PEDEM REDUÇÃO DE TAXA DE JUROS

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, participou hoje do primeiro encontro oficial com representantes do sistema cooperativista brasileiro. Durante o lançamento da publicação “Evolução do Cooperativismo no Brasil”, na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), em Brasília, o ministro ouviu as principais reivindicações do setor, entre as quais a redução das taxas de juros, especialmente nas linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Banco do Brasil e demais bancos oficiais. A pauta foi entregue ao secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Márcio Portocarrero. A OCB também pediu que Stephanes seja o porta-voz do setor no que se refere à busca de um tratamento tributário “adequado”, incluindo a mudança de alíquota do ICMS. “Colocamos nossa estrutura à disposição do ministro para encaminhamento destas questões junto aos órgãos competentes”, disse o vice-presidente da OCB, Luiz Roberto Baggio. Acordo - Durante a solenidade, foi assinado um acordo de cooperação técnica entre a OCB e a Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agro-Pecuárias de Angola (Unaca). O termo de cooperação técnica visa a formação de recursos humanos, o aprimoramento da gestão cooperativa em Angola e o fortalecimento do intercâmbio comercial. “Depois de 30 anos de sofrimento, estamos retomando o processo de paz em Angola e vamos levar aos nossos governantes o exemplo do cooperativismo brasileiro como instrumento de fortalecimento da economia”, disse o presidente da Unaca, Paulo Uime. O presidente da OCB, Márcio Freitas, lembrou que a entidade representa 4.603 cooperativas que atuam em 13 atividades distintas, desde o ramo agropecuário até o eixo urbano. “São 7,4 milhões de membros diretamente ligados às cooperativas. Se relacionarmos às famílias dos cooperados, são 30 milhões de brasileiros ligados ao cooperativismo”, destacou. Freitas lembrou ainda que o setor gera 218 mil empregos diretos, acrescentado que o movimento quer estar cada vez mais próximo dos governos democráticos. “O Ministério da Agricultura tem sido nossa porta de entrada e nosso advogado na divulgação do nosso lema: eficiência econômica traz eficiência social”. Etanol - Ao participar da solenidade na OCB, o ministro Reinhold Stephanes afirmou que o agronegócio está passando por um bom momento e destacou que há boas perspectivas para algumas culturas. Voltou a citar o etanol como a nova ‘alavanca’ para a agricultura brasileira. “Tirando a euforia em torno do assunto, acredito que um crescimento de 10% a 12% (na produção) é razoável”. O ministro alertou, porém, que a questão ambiental é cada vez mais presente nas ações do governo. “Quem tem mais condições de assumir (o assunto etanol) é a agricultura, mas estamos trabalhando de forma responsável do ponto de vista ambiental, já que o Brasil tem de 30 a 40 milhões de hectares de terras degradadas que podem ser recuperadas para atender às demandas por etanol”.
Pin It

Notícias por Ano