cabecalho apta130219

Colheita mecanizada da cana atinge 85% das áreas de produção paulistas

O Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) e a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), ambos ligados à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, estimaram o percentual de área colhida por máquinas na colheita da cana-de-açúcar na safra agrícola 2013/14. Do total de área em produção, ou área de corte (5.497.118 hectares), 84,8% encontra-se mecanizada, correspondendo a 4.659.684,0 hectares, aumento de 3,5% em relação à safra 2012/13. Consequentemente, o restante da área em produção ainda demanda trabalhadores para a colheita manual.
A partir desse índice é possível acompanhar a evolução da mecanização da colheita de cana-de-açúcar e avaliar o cumprimento de dois marcos regulatórios que têm por finalidade é proteção ambiental e a erradicação da queima da cana-de-açúcar em território paulista. De acordo com pesquisadores do IEA, os dados indicam que 15 EDRs encontram-se com índices de mecanização acima da média estadual e que juntos representam 50,5% do total de área em produção da cana-de-açúcar.
Entretanto, algumas regiões, como Piracicaba, encontram-se abaixo da média (72,7%) e apresentam dificuldades para aumentar a mecanização por conta da declividade do solo que impede o uso de colhedoras e a presença de fornecedores de cana-de-açúcar com áreas inferiores a 150 hectares. Tais fatores dificultam o cumprimento do Protocolo Agroambiental nos prazos estabelecidos, porém, ainda os produtores possuem uma margem de tempo para a mecanização por meio da Lei n. 11.241, de 2002.
O índice de mecanização permite mensurar também, o impacto da colheita mecânica sobre o emprego de cortadores de cana-de-açúcar. Na safra 2013/14, a demanda por trabalhadores na colheita foi estimada em 51,7 mil cortadores, cerca de 18 mil a menos em relação à safra 2012/13. Destaca-se o EDR de Orlândia, segundo maior EDR em área em produção, que apresentou nessa safra 77,3% de sua área já mecanizada, mas que ainda é responsável por, aproximadamente, seis mil cortadores. Outros EDRs, como Barretos, Catanduva e Presidente Prudente demandam juntos cerca de dez mil cortadores na colheita manual.
Essas e outras regiões em que o processo de mecanização se intensifica e é irreversível, ainda merecem atenção pelas questões sociais que os marcos regulatórios impuseram a essa classe trabalhista. Reforça-se sempre a preocupação de políticas voltadas para esses cortadores no processo de requalificação e no controle ao desemprego, questões essas deixadas de lado na formulação dos marcos regulatórios.
Para ler o artigo completo e consultar a tabela, clique aqui.
Texto: Nara Guimarães
Assessora de Imprensa
Tel: (11) 5067-0498
Pin It

Notícias por Ano