cabecalho apta130219

Cana agora expulsa gado do interior de São Paulo

No interior de São Paulo, era comum sentir o aroma das flores dos laranjais ou então o verde-escuro dos cafezais à beira da estrada. Essa paisagem está virando história e vem sendo rapidamente substituída pela imagem dos canaviais. A cana vem sendo apontada como responsável pela expulsão de laranjais, campos de soja, cafezais e pecuaristas. A Agro-Pecuária CFM, empresa que atua no segmento de genética bovina, anunciou que irá transferir parte do rebanho para fazendas na Bahia e Mato Grosso do Sul para abrir espaço para o plantio de cana. "Com o aumento do custo de produção na pecuária e a redução da receita, as margens do segmento se estreitaram nos últimos dois anos. A rentabilidade do álcool é de 3 a 3,8 vezes maior que a da pecuária", diz o coordenador de pecuária da CFM, Luis Adriano Teixeira. A empresa pretende aumentar a área cultivada com cana-de-açúcar em cerca de 25% em cinco anos, passando dos atuais 23 mil hectares para 29 mil hectares no Estado de São Paulo. A cana representa de 60% a 65% da receita da empresa e deve aumentar sua participação nos próximos anos. A CFM é dona de 12 fazendas em todo o Brasil, com área total de 135 mil hectares. A CFM é parceira de uma grupo sucroalcooleiro em usina com capacidade de processamento de 1,5 milhão de toneladas de cana por safra, que dará início à moagem em 2007, na Fazenda Guariroba, em Pontes Gestal (SP). A participação da CFM é minoritária, segundo Teixeira. Ainda este ano, a área da Guariroba destinada à cana terá incremento de 3 mil hectares. A CFM ainda não possui usinas em suas operações, mas uma unidade de um grupo não divulgado pelo executivo opera em terreno arrendado na Fazenda Posses, em Guaraci (SP). A CFM produz 2 milhões de toneladas de cana, que fornece para 14 usinas do estado. Apesar da redução prevista das 30 mil cabeças de gado no estado de São Paulo, a CFM pretende manter o número total de 85 mil animais no País. A estratégia da empresa é concentrar a atividade no Mato Grosso do Sul e na Bahia, estados com menor custo de produção da arroba do boi. A primeira propriedade da empresa na Bahia foi adquirida no ano passado, em Jaborandi. "Vendemos uma área de cana na região de Barretos em São Paulo para comprar a fazenda na Bahia", diz Teixeira, ressaltando que o valor da venda em São Paulo correspondeu ao de área dez vezes maior na região de Jaborandi. Das 12 fazendas da empresa, oito ficam em São Paulo. A cana está plantada em sete propriedades paulistas e é a atividade exclusiva em três delas. Antes da CFM, outra empresa focada em pecuária e cana, a Agropecuária Jacarezinho, decidiu ampliar os investimentos no setor sucroalcooleiro em São Paulo e transferir sua produção bovina para a Bahia. A expectativa é que em 2008 entre em operação usina da empresa em parceria com a Brasif e o Grupo J. Pessoa, com capacidade para 3 milhões de toneladas por ano. Em 2005, a Jacarezinho investiu R$ 32 milhões em terras dos municípios baianos de Cotegipe e Vanderlei. Até 2010, a empresa espera transferir 38 mil bovinos para o estado. Em São Paulo, ficarão concentrados o banco genético da Jacarezinho e a central de inseminação.
Pin It

Notícias por Ano