cabecalho apta130219

APTA promove 1º encontro de citricultura da região sudoeste paulista

O Pólo Regional Sudoeste Paulista/APTA, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, promove no dia 18 de junho (quinta-feira), às 8h30, em Capão Bonito (SP), o 1º Encontro de Citricultura da Região Sudoeste de São Paulo, o VIII Dia de Campo de Tangerina e o XII Dia da Tangerina. O conjunto de eventos é destinado a produtores, agrônomos, pesquisadores e estudantes.
Palestrantes do Centro de Citros Sylvio Moreira/IAC/APTA, da Embrapa/Londrina, de consultorias e empresas vão abordar temas como características da citricultura regional, variedades de laranja adaptadas à região, manejo e colheita, combate a doenças, qualidade de fruta fresca e comercialização de laranja de mesa. Também está prevista uma exposição de frutas frescas produzidas no sudoeste paulista, como laranjas Baía e pigmentada e tangerinas tolerante à mancha marrom da alternária e sem semente.
Importância econômica
Em função dos sérios problemas fitossanitários da citricultura, existe tendência de transposição de parte da área plantada da região tradicional (compreendida entre as regiões Norte e Centro-Sul do Estado) para essa nova região, diz o pesquisador Edison Ulisses Ramos Junior, um dos coordenadores do evento. Na região sudoeste, já existem pomares instalados em diversos municípios (Itararé, Itapeva, Taquarivaí, Buri, Capão Bonito, Itapetininga, Sorocaba, Tatuí, Avaré, Angatuba, Paranapanema, Taquarituba, Itaporanga).
Ramos Jr. salienta a ótima qualidade dos frutos cítricos produzidos nessa região. Ele atribui isso ao menor déficit hídrico e maior amplitude térmica, o que lhes conferem coloração e sabores acentuados, atendendo assim às exigências principalmente do mercado de fruta in natura.
Entre os projetos de pesquisa em andamento no Pólo Regional, Ramos Jr. destaca o de “avaliação de 22 novas variedades de tangerinas sobre dois porta-enxertos (limão Cravo e tangerina Cleópatra)”, coordenado pela pesquisadora Rose Mary Pio (Centro APTA Citros Sylvio Moreira/IAC). Ele cita ainda projetos de “avaliação de genótipos de tangerinas visando obter resistência à mancha marrom de alternaria”, coordenado pelo pesquisador Fernando Alves de Azevedo(Centro APTA Citros Sylvio Moreira/IAC) e do “comportamento de novas variedades de laranja doce tipo Baía e de tangerinas sem sementes em dois porta-enxertos (citrumelo Swingle e Poncirus trifoliata)”, desenvolvido pelos pesquisadores Fernando Alves de Azevedo e Rogério de Sá Borges (EMBRAPA/Londrina).
Outros projetos em andamento são: “seleção de clones de laranja Pêra para a região Sudoeste do Estado de São Paulo” (coordenação do pesquisador Sérgio Alves de Carvalho do Centro APTA Citros Sylvio Moreira/IAC); “pólo de tangerinas sem sementes” (coordenação da pesquisadora Rose Mary Pio); “resistência às doenças dos citros: seleção e mapeamento genético de novos híbridos de copas” (coordenação da pesquisadora Mariangela Cristofani-Yaly do Centro APTA Citros Sylvio Moreira/IAC); “espaçamentos para tangerinas Fremont e Nova em dois porta-enxertos (limão Cravo e citrumelo Swingle)”, coordenado pelo pesquisador Fernando Alves de Azevedo.
Resultados relevantes
Entre os resultados relevantes obtidos até agora, Edison Ramos Jr cita a seleção de novas variedades de tangerinas sem sementes e a implantação de pomares semi-comerciais na região Sudoeste do Estado de São Paulo; a seleção de variedades de tangerinas resistentes à mancha marrom de alternária, principal doença da cultura, o que implica em menores custos de produção (menor uso de defensivos agrícolas); e a seleção de variedades de laranjas tipo Baía de produção extemporânea, visando à maior rentabilidade ao produtor que poderá vender fora de época.
Assessoria de Comunicação da APTA
José Venâncio de Resende
(11) 5067-0424

 

Pin It

Notícias por Ano