cabecalho apta130219

Adaptação de tilápia a diferentes salinidades é tema de estudo no Instituto de Pesca

A tilápia-do-nilo é uma espécie de peixe que se adapta a diferentes condições de salinidades, tornando uma atividade pesqueira ideal para o cultivo comercial em tanques-redes e manejo em laboratório, aponta estudo da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Pesca.
A pesquisa foi desenvolvida pelo aluno de pós-graduação do Instituto, Fernando Bosisio, e coordenada pelo pesquisador da Secretaria, que atua no IP, Edison Barbieri. O objetivo foi avaliar a sobrevivência, ganho de peso, consumo de oxigênio, em diferentes quantidades de sais existentes em massas de água naturais, em oceano, lago, estuário ou aquífero.
“Os resultados mostram que tanto o consumo de oxigênio como a excreção de amônia não variaram muito. Este conhecimento se torna útil para o manejo da espécie em laboratório, visando à sua utilização em cultivos comerciais em tanque-rede, principalmente em estuários, onde ocorre variação diária da salinidade”, revelou Bosisio.
De acordo com Barbieri, os estudos realizados pelo Instituto de Pesca em águas interiores, regiões estuarinas, manguezais e costa paulista visam dar sustentação às atividades pesqueira e de aquicultura, das quais depende um significativo número de produtores.
Para o pesquisador, a Secretaria incentiva estudos como este e os resultados contribuem para uma melhor compreensão do perfil fisiológico e da inserção ecológica de espécies de interesse comercial. “Devido à alta exploração e à falta de estudos, quase todos os estoques de peixes encontram-se bastante reduzidos em nível mundial, sendo que algumas espécies já são consideradas sobre-exploradas. Encontrar alternativas é essencial e urgente”, diz o pesquisador.
O secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, afirma que o programa de pós-graduação em institutos de pesquisa da Pasta potencializa a capacidade institucional de produção de conhecimento e favorece a atualização do corpo científico, contribuindo para a obtenção de recursos de agências financiadoras e opera a capacitação de futuros pesquisadores.
“As pesquisas são importantes, pois contribuem para o aumento da produção e da rentabilidade dos produtores e podem ser utilizadas em todo o País. Tais estudos estão alinhados ao que recomenda o governador Geraldo Alckmin, isto é, gerar alternativas e diminuir a distância entre pesquisa e usuário”, afirmou, Arnaldo Jardim.
A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo mantém, em seus institutos de pesquisa, programa de pós-graduação, que, no caso do Instituto de Pesca, objetiva capacitar científica e tecnologicamente profissionais de nível superior nas áreas de aquicultura e pesca. Este programa foi recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do MEC em 2004, sendo um dos poucos cursos de pós-graduação do País a reunir as áreas de pesca e aquicultura, direcionadas tanto para os ambientes marinho e continental.
Por Antonio Carlos Simões
Mais informações
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo
Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios
Instituto de Pesca
Fone: (13) 3261-5474

Pin It

Notícias por Ano